O funcionário público espanhol Joaquin Garcia, hoje com 69 anos, era supervisor em uma estação de tratamento de água no sudoeste da cidade de Cádiz e, em 2010, se tornou elegível a um prêmio comemorativo dado por seus 20 anos de serviço. No entanto, quando funcionários do governo foram perguntar sobre ele no prédio em que trabalhava, seu gerente disse que não via ninguém entrar ou sair do escritório do supervisor em anos.

De acordo com o jornal The Independent, quando o superior do “sumido” entrou em contato para saber o que ele andava fazendo, o homem simplesmente não soube o que responder e, por isso, foi demitido. Um processo foi aberto contra Garcia, e a sentença saiu nesta semana, condenando-o a pagar uma multa de 27 mil euros (cerca de R$ 120 mil) ao governo, o equivalente a um ano de seu salário, já com os devidos impostos descontados.

O espanhol alegou que sofreu bullying político quando ocupava outra posição dentro da companhia de água e foi colocado no posto de supervisor da estação em 2004. Ele disse que ia ao trabalho todos os dias no começo, mas nunca havia nada para fazer. Como precisava sustentar sua família, decidiu não falar nada sobre a situação e ficar em casa lendo filosofia. O processo foi movido porque ele obviamente continuou retirando o seu salário mensalmente, mesmo sem trabalhar.

Garcia escreveu para o prefeito de Cárdiz, pedindo para ser liberado da obrigação de pagar a multa. O espanhol também afirmou que vai solicitar uma revisão de seu julgamento. Infelizmente, parece o tipo de história que muito provavelmente acontece com grande frequência no nosso lado do Atlântico também.

O que você faria se estivesse na mesma posição de Joaquin Garcia, que ficou seis anos sem ir ao trabalho por não ter nada para fazer lá? Comente no Fórum do Mega Curioso