Sexo é sempre um dos assuntos que mais fazem sucesso em qualquer roda de conversa, não adianta nem tentar dizer o contrário. Se você faz o tipo sabe-tudo e quer aumentar seu repertório de curiosidades sexuais, que tal aprender um pouco sobre a vida amorosa e as técnicas de acasalamento de criaturas fofas como os pinguins?

O Live Science resolveu explicar como é esse sexo animal black tie e, claro, não poderíamos deixar de compartilhar essas informações com nossos leitores, curiosos de carteirinha.

Particularidades

Apesar de serem animais com características de vida aquática, pinguins são aves e, quando falamos em acasalamento, é também como aves que esses animais se reproduzem. Em todo o mundo, há cerca de 20 espécies de pinguins, e, ainda que todas elas se reproduzam de forma parecida, cada espécie tem seu jeitinho próprio de agir na hora de fabricar bebês pinguins.

A maioria das espécies acasala durante o período do verão antártico, que é de outubro a fevereiro. Ainda assim, outras preferem o inverno para procriar. O processo começa com a chegada dos machos, que se posicionam em locais estratégicos para esperar as fêmeas.

Alguns pinguins, como os pinguins-de-adélia, constroem ninhos. Aí, no caso, quem prepara a casa dos futuros filhotes é o macho, que brinca de arquiteto com o que tiver por perto: galhos, pedras e qualquer outro objeto que aparente ter utilidade.

Ritual

As pinguins fêmeas fazem charme e às vezes deixam os machos esperando por até algumas semanas. Quase monogâmicas, procuram pelo mesmo parceiro do acasalamento passado. E, para garantir que o ato aconteça, inspecionam a qualidade do ninho e ainda os comparam com os ninhos da vizinhança – essa comparação às vezes acaba em briga, principalmente quando há outras fêmeas fazendo o mesmo serviço.

Mas não são todas as espécies de pinguim que seguem esse modelo tradicional de construir ninhos e conquistar a fêmea por meio dos dotes arquitetônicos.

Para alguns pinguins a coisa não funciona assim, e, então, as fêmeas escolhem seus parceiros com base no canto dos machos e também no tamanho deles. É pela cantoria, aliás, que as fêmeas conseguem distinguir qual candidato será um pai presente, que vai ficar mais tempo cuidando do ninho. E você achando que era bom de audição...

O acasalamento em si

Depois de todo esse processo seletivo complicado, uma vez que o casal esteja formado, o acasalamento tem início. Se tem uma coisa que podemos dizer sobre o namorico dos pinguins é que a coisa é bastante barulhenta. Isso acontece porque durante as preliminares do acasalamento, os animais gritam de modo que o parceiro vai se tornar hábil a reconhecer os sons do outro, em uma suposta situação de perigo no futuro.

Quando a gritaria acaba, a fêmea se deita no chão para que o macho suba em suas costas. Nessa hora, a fêmea levanta a sua cauda e permite que a cloaca fique exposta – é por esse orifício que o macho deposita suas células reprodutoras. Aí é só esperar a chegada dos ovos.

Assim que a fêmea bota os ovos, quem fica responsável por chocá-los é o macho, pelo menos me um primeiro momento. Nas espécies que não constroem ninhos, os pinguins fazem um processo de incubação e mantêm os ovos em seus pés. Depois disso, é só esperar a chegada dos novos membros da família.