O que não faltam por aí são jogos e brincadeiras nos quais a galera participa quando está bebendo ou já passou da conta. Pois um grupo de amigos na Holanda criou – vai saber o motivo... – o hábito de engolir pequenos peixes vivos durante seus encontros etílicos. Só que, em uma das ocasiões, os jovens escolheram mal o animal que seria sacrificado, e a coisa toda acabou com um deles hospitalizado e tendo que passar por cirurgia.

Corydoras aeneus (Wikimedia Commons/Happy Birthday To You!)

De acordo com Rafi Letzter, do site Live Science, os bebuns costumavam engolir peixes-dourados, até que um deles resolveu inovar, mandar um peixe-gato-bronzeado – uma criatura da espécie Corydoras aeneus que pode medir entre 5 e 8 cm de comprimento – goela abaixo e se ver em um baita apuro. O problema é que esses peixinhos têm espinhas em suas nadadeiras peitorais e liberam uma toxina através delas quando se sentem ameaçados. Foi exatamente isso que o animal fez quando o outro animal o engoliu.

Apuro

Um vídeo gravado pelo grupo de amigos – que infelizmente não foi disponibilizado – mostra que, primeiro, outro dos jovens tenta engolir o peixe virando um copo d’água com a criatura dentro. Só que o sujeito não consegue e cospe o líquido e o peixe nas próprias mãos e coloca o bichinho agonizando em uma mesa. É então que o outro beberrão pega a criatura e a passa a um terceiro rapaz, que dá um golão em um copo de cerveja e mergulha o peixe-gato na boca.

Pobre peixe... (Live Science/Benoist et al.)

Assim que o indivíduo vai engolir o peixe, fica evidente que algo dá errado, já que ele tenta beber mais cerveja, aparentemente a fim de desalojar a criatura da garganta. Segundos depois, o jovem começa a ter náuseas e a vomitar líquido e, desesperado, introduz os dedos na boca com o objetivo de acabar com o desconforto. É aí que alguém do grupo resolve aplicar a manobra de Heimlich para “desengasgar” o cara e, após a alternativa dar errado, o rapaz cospe sangue em um balde.

Ainda assim, parece que o sujeito esperou várias horas até procurar ajuda médica e tentou desalojar o peixe tomando mais cerveja e até engolindo mel e sorvete. Mas, como nenhuma das artimanhas deu resultado, o bêbado se rendeu e foi ao hospital. Uma vez lá, os médicos usaram um laringoscópio para entender o que estava acontecendo e avistaram o peixinho – morto e preso na entrada do esôfago do pinguço.

Preservado para a posteridade (Live Science/Benoist et al.)

Porém, como o peixe-gato havia cravado suas “esporas” na garganta do jovem, os médicos tiveram que submeter o cara a uma cirurgia. Por sorte, a toxina liberada pelo peixe parece não ter complicado o quadro, embora os efeitos do veneno em humanos não sejam conhecidos, e tudo acabou bem para o bebum. A criatura, coitada, morreu por asfixia e se encontra preservada no Museu de História Natural de Roterdã, onde passou a integrar uma exposição chamada “Contos de Animais Mortos”. Nem precisamos dizer que você não deve tentar replicar a brincadeira estúpida em casa, né?